quarta-feira, 26 de agosto de 2015

O seu lugar na casa.

O seu lugar na casa.
Cada um exerça o dom que recebeu para servir aos outros, administrando fielmente a graça de Deus em suas múltiplas formas. 1 Pedro 4:10

É comum usarmos o termo Casa de Deus ao nos referirmos à Igreja. 

Normalmente a palavra Casa nos remete ao conceito de moradia, mas há outras conceitos ligados a isso como, por exemplo, segurança; a casa é o lugar onde nos sentimentos seguros. 

Há outras questões relacionadas a esse termo como a manutenção da casa; esse lugar precisa ser cuidado; o lixo precisa ser colocado para fora. Sim! uma casa ocupada produz lixo e é preciso diariamente proceder uma faxina para que haja um ambiente saudável.

Só essas duas questões já nos concede um bom material de reflexão sobre o ser Igreja, mas quero apontar uma outra questão. 

Quero destacar que uma casa tem vários cômodos e cada um deles se destina a um tipo de atividade nas quais os habitantes de uma casa se envolvem. Por exemplo: Toda casa tem uma sala. Esse ambiente, via de regra, é partilhado com os visitantes. É o lugar das festas. É o primeiro passo que se dá dentro de uma casa, mas a sala não representa intimidade. 
Toda casa tem uma cozinha. Lugar preferido da maioria, principalmente dos mais gulosos. Lá se prepara as refeições que produzirá a energia necessária para a sobrevivência dos habitantes da casa. Há quem não goste do tempero ou do cardápio ou mesmo tendo atividades que o distancie da casa, prefere comer fora não partilhando dos mesmos nutrientes das refeições servidas na sua casa, com sua família. Participar desse lugar, assim como do quarto, simboliza mais intimidade. 
Ainda temos o banheiro onde realizamos as atividades de asseio ou higiene pessoal, tão necessário para uma vida comunitária.   

O que tudo isso tem a ver com Igreja?

Há pessoas que são eternas visitantes. Nessa categoria encontramos até quem já tomou uma decisão ao lado de Jesus, até se batizou, mas não passa da sala. Não se envolve, não busca intimidade. Não se torna participante efetiva da casa, não se compromete com sua manutenção e pouco se alimenta com o que é servido na casa. Apenas frequentam a "festa dominical" (culto noturno ou em datas especiais).  

Há pessoas que até desenvolveram uma intimidade maior. Essas circulam por todos os cômodos, mas vivem fazendo "lanche" fora e trazendo "quentinhas" para dentro da casa, desprezado as refeições (ensinos e doutrina) preparadas e oferecidas pela cozinha da casa.

Por fim, há aquelas que se recusam a fazer o asseio pessoal (oração de confissão e arrependimento), e marcadas pelo rancor, falta de perdão, quebrantamento na presença de Deus, vai tornando as relações empoeiradas e manchadas.

Essa metáfora da Igreja como "casa de Deus" inspira outras comparações, mas paro por aqui convidando-o a refletir sobre o seu lugar e sua atitude dentro dessa casa. 

Quem tem sido você dentro da "casa de Deus"? Um eterno visitante, o qual nenhum outro morador possa contar com sua presença e comprometimento a não ser nos momentos da festa, ou um morador comprometido para manter a casa sempre em ordem a fim de receber outros moradores?

Que o próprio Deus nos torne mordomos fiéis e comprometidos com o seu Reino.
Pr Paulo Carlos