sábado, 28 de dezembro de 2013

Jesus nasceu mesmo de uma virgem?

Uma breve reflexão sobre o nascimento virginal de Jesus

Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco. Mateus 1:23

Ao longo da história formularam-se inúmeros questionamentos sobre o nascimento virginal de Jesus. Não quero aqui simplificar esse complexo emaranhado de argumentos e contra-argumentos ao tema, mas compartilhar o modo como enfrento isso. Lógico que meu posicionamento pode gerar contra-argumentos mil, mas o que não consigo dar conta, eu lanço na conta da fé. Afinal, gostemos ou não, parte do mistério da fé está justamente por se tratar de um elemento que ultrapassa a capacidade de entendimento, seja isso temporário, como no caso da ciência, ou não, como é o caso da religião.

Dito isso, quero relembrar que a criação narrada no Gênesis (cap 1 e 2) começa com a palavra criadora “Fiat”. Longe de ser a primeira propaganda de uma montadora de veículos (rs), em latim quer dizer “Faça-se” ou “Surja”, “Apareça”. Quando da criação do homem, além do diálogo que sugere a presença triuna de Deus, está registrado o sopro divino que anima a matéria constituída com todos os elementos químicos anteriormente criados, o que justifica a afirmação de termos sidos criados do pó da terra e para lá voltarmos quando o que nos anima que é o espírito, cessar sua atividade. (Eclesiastes 3:20)  

Pois bem, esse mesmo “sopro” que dá vida, que anima a matéria inerte e que tem origem divina foi, no meu modo de entender e não estou sozinho nisso, o gerador da gravidez de Maria. Daí o fato de Jesus ser 100% humano, por parte de mãe, e 100% Deus, por parte de Pai. Esse acontecimento é tão novo e original como o foi a criação de Adão, daí o apóstolo Paulo ter base para afirmar o surgimento da nova geração iniciada por Jesus. (Romanos cap 5 e 8)

Pr Paulo Carlos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se gostou comente.