sábado, 28 de dezembro de 2013

Jesus nasceu mesmo de uma virgem?

Uma breve reflexão sobre o nascimento virginal de Jesus

Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco. Mateus 1:23

Ao longo da história formularam-se inúmeros questionamentos sobre o nascimento virginal de Jesus. Não quero aqui simplificar esse complexo emaranhado de argumentos e contra-argumentos ao tema, mas compartilhar o modo como enfrento isso. Lógico que meu posicionamento pode gerar contra-argumentos mil, mas o que não consigo dar conta, eu lanço na conta da fé. Afinal, gostemos ou não, parte do mistério da fé está justamente por se tratar de um elemento que ultrapassa a capacidade de entendimento, seja isso temporário, como no caso da ciência, ou não, como é o caso da religião.

Dito isso, quero relembrar que a criação narrada no Gênesis (cap 1 e 2) começa com a palavra criadora “Fiat”. Longe de ser a primeira propaganda de uma montadora de veículos (rs), em latim quer dizer “Faça-se” ou “Surja”, “Apareça”. Quando da criação do homem, além do diálogo que sugere a presença triuna de Deus, está registrado o sopro divino que anima a matéria constituída com todos os elementos químicos anteriormente criados, o que justifica a afirmação de termos sidos criados do pó da terra e para lá voltarmos quando o que nos anima que é o espírito, cessar sua atividade. (Eclesiastes 3:20)  

Pois bem, esse mesmo “sopro” que dá vida, que anima a matéria inerte e que tem origem divina foi, no meu modo de entender e não estou sozinho nisso, o gerador da gravidez de Maria. Daí o fato de Jesus ser 100% humano, por parte de mãe, e 100% Deus, por parte de Pai. Esse acontecimento é tão novo e original como o foi a criação de Adão, daí o apóstolo Paulo ter base para afirmar o surgimento da nova geração iniciada por Jesus. (Romanos cap 5 e 8)

Pr Paulo Carlos

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

"Entregue suas preocupações ao Senhor, e ele o susterá; jamais permitirá que o justo venha a cair". Salmos 55:22

Este trecho faz parte de um dos salmos que, para mim, foi muito difícil para Davi escrever.
Tudo indica que ele foi escrito durante os acontecimentos narrados no segundo livro de Samuel capítulos 15, 16 e 17. Davi não estava sofrendo apenas com a rebelião do seu filho Absalão, mas também com a traição de Aitofel, um levita a quem Davi considerava como um porta voz de Deus. Alguém com quem Davi celebrou muitas vitórias e partilhou momentos de comunhão na presença do Senhor. A traição dessa pessoa foi dolorida para Davi justamente por vir de alguém que ele nunca esperava tal atitude, tamanha era a confiança e os estreitos laços aparentemente forjados na caminhada.
O fim de Aitofel não foi nada agradável (II Samuel 17:23). Como aconteceu com Saul, Davi também não precisou levantar a espada contra ele, nem contra seu próprio filho. Deus, que tem todas as coisas sob seu controle, ouviu a voz do coração sincero de Davi e o preservou. Sendo assim, o conselho dado pelo salmista é fruto da experiência de alguém que viveu sob os cuidados de um Deus amoroso e justo.
Este Deus não mudou. Vale a pena esperar nele. Mesmo que tudo pareça demorado ou fora de controle Deus saberá colocar as coisas em ordem. 



Pr Paulo Carlos.

domingo, 15 de setembro de 2013



Quais são as suas?
Desde agora ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus. Gálatas 6:17
Todos nós carregamos marcas em nosso corpo ou alma.
Elas são prova da nossa existência. São marcos das nossas experiências. São testemunhas incontestes da nossa história. São lembranças que nos ajudam a formular a esperança de que todo sofrimento, por mais demorado que seja, sempre será passageiro. 
Algumas nos remetem ao passado de dor, outras nos fazem rir, mesmo depois de tanto tempo passado. Elas são parte de nós. Sem elas não seriamos quem somos.

Contudo, o que mais importa não é se temos mais ou menos marcas. Se há mais o que lamentar ou comemorar. O que mais importa é se essas marcas, poucas ou muitas, sofridas ou não, compõe o cenário de uma existência significativa. Ter uma existência significativa, mesmo com marcas de momentos dolorosos, vale mais do que uma aparência de sucesso de uma existência vazia. 

O apóstolo Paulo não tinha, nas mãos e pés, as mesmas marcas de pregos que teve Jesus, mas carregava em seu corpo as marcas produzidas pelo mesmo ódio e perseguição que sofreu o seu mestre. 

Sofreu porque o seu coração fora marcado pelo amor de Deus e esse amor o impulsionava a testemunhar, mesmo sob ameaças e perigos. As marcas em seu corpo nada mais eram do que a concretização da marca do amor de Deus em seu coração. Por isso não havia o que lamentar, nem razão para se importar com as opiniões alheias, pois as marcas do seu corpo, se para uns era sinal de fraqueza e derrota, para ele era símbolo, testemunho, prova do dever cumprindo. 

Que marcas você carrega em seu corpo ou alma? Que significado elas têm para você? Para quem essas marcas apontam? Que objetivo você tinha em mente quando essas marcas foram feitas?
O convido a submeter suas ações ao comando de Jesus de Nazaré para que toda e qualquer cicatriz não seja em vão, mas que faça parte de algo maior, que ultrapasse os limites do tempo e do espaço alcançando a eternidade, dando sentido a sua existência.
Pr Paulo Carlos.

sexta-feira, 21 de junho de 2013


Em busca de uma definição que nos defina e aponte o caminho.

O que é um Protesto? No conceito jurídico/comercial é uma declaração de divida contra alguém e uma forma de resguarda o direito de crédito da parte lesada. No conceito social é uma ação pública de solidariedade, solitária ou em grupo, em favor de uma ideia, evento ou grupo. 

Em ambos os casos há uma parte lesada que visa ser ressarcida. Em ambos os casos há um elemento concreto que todos, parte lesada e manifestantes, desejam ver conquistadas. Em ambos os casos há uma cobrança e uma expectativa de recebimento. Em ambos os casos há de ter um prazo para o pagamento ou a conquista ser realizada. Em ambos os casos há um problema, uma reivindicação, um lesado, um responsável, uma resposta a ser dada, um prazo para se cumprir e um documento que amarra todas essas questões. 

Sob essa ótica, o que tem acontecido no Brasil são manifestações ou pequenos passeios com um grande número de pessoas de pessoas indignadas por motivos justo? Com quem está o documento que amarra todas essas questões para que possamos acompanhar a evolução do processo? A quem foi entregue essas reivindicações? Vamos deixar que as mídias se encarreguem de registrar os acontecimentos e que os responsáveis, assistindo pela TV, se comovam e façam algo em nosso favor?

Sou a favor de todo tipo de manifestação que tenha objetivo claro e passos definidos. Precisamos aproveitar esse momento para construir a pauta de um Brasil para os brasileiros antes que os políticos, mais uma vez, produza o banho estético nas suas agendas e façam "mudanças" para garantir que nada mude, como sempre ocorreu na nossa antiga e recente história política. 



Paulo Carlos - Coach de Liderança

domingo, 10 de março de 2013



Por que Abel morreu?

"Voltou a dar à luz, desta vez a Abel, irmão dele. Abel tornou-se pastor de ovelhas, e Caim, agricultor.
Passado algum tempo, Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor. Abel, por sua vez, trouxe as partes gordas das primeiras crias do seu rebanho. O Senhor aceitou com agrado Abel e sua oferta, mas não aceitou Caim e sua oferta. Por isso Caim se enfureceu e o seu rosto se transtornou.
O Senhor disse a Caim: "Por que você está furioso? Por que se transtornou o seu rosto? Se você fizer o bem, não será aceito? Mas se não o fizer, saiba que o pecado o ameaça à porta; ele deseja conquistá-lo, mas você deve dominá-lo". Disse, porém, Caim a seu irmão Abel: "Vamos para o campo". Quando estavam lá, Caim atacou seu irmão Abel e o matou." Gênesis 4:2-8

Nesta manhã a pergunta que tomou conta da minha reflexão foi: Por que Abel morreu? O que Ele fez? 
Por que não perguntar por Caim? Porque a resposta para a questão de Caim está muito clara; ele se indispôs com seu irmão pelo fato desse ter sido aceito por Deus.

Sendo assim, não seria mais lógico Caim ter confrontado Deus por ter feito tal escolha? A resposta, para Caim, é não. Deus o orientou com relação ao ser aceito: "Se você fizer o bem, não será aceito?" em outra tradução encontramos: "Se bem fizeres, não é certo que serás aceito?" Ou seja, a busca pela excelência no agir não estava no planos de Caim; para ele parecia ser mais fácil eliminar a concorrência do que mudar suas atitudes para que fossem aceitas. 

Portanto, Abel morreu porque ele representava para Caim a saída da zona de conforto, ele representava a mudança, consequentemente, Abel revelava a incompletude, as imperfeições de Caim, e esse confronto com suas limitações, ao invés de levá-lo à busca da melhoria, o levou a agir de modo a afastar, a calar aquele que revelava suas incapacidades. 

Abel não podia agir de modo diferente. Logo, a morte seria o único desfecho dentro de um ambiente dominado pelo orgulho e a arrogância. A morte foi a única saída encontrada por alguém que não queria mudar e se achava completo, ou pensava que se tornaria completo se não houvesse concorrência. 

A vida ainda se mostra assim, repleta de Caim e Abel; pessoas que são aceitas por aquilo que são, porque são pessoas que buscam melhorar o seu ser, pois entendem-se como seres em construção; e outras que se enxergam completas, e, deste modo, acreditam que o mundo é que deve mudar em torno delas. 

Apesar do risco de serem calados à força e levados ao matadouro, ainda assim os convido a desenvolverem o Abel que vocês carregam dentro do coração. Os convido a melhorar um pouquinho a cada dia para que um dia possamos ser completamente aceitos, não só pelos nossos semelhantes, mas, principalmente, pelo nosso Pai Celeste quando, recepcionando seus filhos, dirá: "Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;" Mateus 25:34

Um excelente domingo para todos. 
Pr Paulo Carlos

sábado, 9 de março de 2013



Tempo é uma questão de prioridade

Certa vez alguém se ressentiu quando, falando sobre o tempo como uma questão de prioridade, compartilhei que em um dado momento da minha vida dava aula pela manhã, fazia um curso à tarde na UFPE, estudava à noite no STBNB, ministrava uma Igreja em Alagoas nos fins de semana e ainda tinha que arrumar um tempo para esposa e filhos, na época só tinha Paulinho e Pedrinho. 

Sei que não é uma atitude politicamente correta falar de si mesmo, mas o fiz, como faço agora, não para chamar holofotes para mim, mas para encorajar outros a fazerem um esforço em direção àquilo que dizem ser importante na vida deles.

Hoje, dou aulas pela manhã, ministro uma Igreja em Olinda a qual passa por um processo de crescimento e formação de equipes, faço atendimento como Coach, sou Coordenador Geral da JUBAPE com a responsabilidade de reestruturar seu trabalho, formular seu Estatuto, Acompanhar a Coordenação de 2 (dois) Acamp e um festival de música, além da família, agora com 3 filhos, e uma vida pessoal, afinal tenho que, às vezes, cortar o cabelo, fazer a barba, me divertir um pouco. 

Sendo assim, faço tudo o que está ao meu alcance. Lamento se não é o suficiente para atingir a expectativa alheia ou produzir o desejo de colaboração. Aliás, colaboração é a única forma de fazer com que o outro atinja aquilo que é esperado por todos.

Portanto, me dirijo a você que se sente cobrado por alguma coisa. Faça o seu melhor, dê a devida importância ao que acha indispensável para a sua vida e assuma corajosamente a sua presença ou ausência como produto da sua crença e vontade de engajamento. 

Ainda acredito que tempo para alguma coisa é simplesmente uma questão de prioridade e ninguém deve ser julgado por priorizar aquilo que acha importante, esse julgamento será feito por Deus, pois é Ele o doador do tempo e dos recursos que dispomos para administrar durante a nossa existência sublunar. 

Minha oração é que Deus conceda sabedoria para fazermos as melhores escolhas. 
Um excelente e abençoado fim de semana para todos.
Pr Paulo Carlos - Coach.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013



Você é Radical?
"Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a vida por minha causa, a encontrará." Mateus 16:25

Nesses últimos dias tenho pensado muito sobre a radicalidade da decisão que temos que tomar diante do convite que Jesus faz.

A palavra Radical tem sido utilizada de modo pejorativa, como algo ruim, retrógrado, como uma coisa a ser evitada caso queira ser aceito pela sociedade, caso deseje um espaço nas rodas de amigos, caso deseje ser convidado para os encontros festivos, pois, de outro modo, sendo a pessoa um "radical", ele se transforma em um "estraga prazeres".

É bom que se diga que essa palavra designa não um estado de ignorância, mas uma atitude tomada com uma base sólida. A palavra Radical, vem do latim radix, que significa fonte, fundação ou raiz. Sendo assim, uma atitude radical não sofre com os ventos de mudança da moda. Também não significa o congelamento do individuo, mas sim uma constância nas ações.

O convite que Jesus nos faz é para uma mudança radical. A base, a raiz é o entendimento que somos pecadores e carecemos da sua graça. Uma vez abraçados pela graça, ela nos impulsiona para outro estilo de vida. O viver para Cristo tem como base esse amor incondicional que nos resgata de uma rota e nos coloca em outra.

Sendo assim, não dá para pactuar com os ventos da moda. A radicalidade está no entendimento que não é possível harmonizar esse novo momento de vida com a minha condição anterior de desgarrado da graça. É assim que nasce o entendimento de uma nova postura, um novo modo de viver. Não é o abraçar uma lista de proibições, mas agarrar-se à oportunidade que, por amor, Deus nos concedeu.

Nesse sentido Paulo nos orienta: “Que diremos, pois Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde?” De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?”(Romanos 6:1-2).

Que me chamem de radical, pois mais radical do que eu foi Jesus ao entregar-se na cruz por mim, sem que eu merece-se, para que eu tivesse a oportunidade de uma vida nova, oportunidade que é para você também, caso tenha coragem de tomar uma decisão radical.
No amor do Cristo que radicalizou em amor,
Pr Paulo Carlos

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013


A Difícil Tarefa de Escolher

Nem sempre as escolhas dão certo, mas nos momentos das escolhas sempre acreditamos que estamos escolhendo fazer o certo. Com o tempo vamos nos tornando mais sábios para enfrentar as próximas escolhas; diminuímos as possibilidades de erros pelo fato de usarmos nosso cabedal de experiências vividas para avaliar os prós e contras das decisões que estamos por fazer.

Nada garante que alguém mais experiente não possa incorrer numa falha de avaliação e cometer um deslize. Por isso é necessário ao tomar uma decisão, seja lá o tempo de vida que você tenha ou o lastro de experiência que já tenha acumulado, reavaliar os parâmetros que foram usados até agora e verificar se ainda são válidos para garantir o resultado esperado.

Para alcançar a excelência não basta uma boa intenção, é preciso ter uma rota segura e perseverança para manter-se nela; além de uma boa percepção para fazer as paradas e as mudanças que toda caminhada exige que se faça, objetivando checar o mapa, por em ordem o material necessário, repor as energias e, quem sabe, pedir um conselho, orientação ou uma palavra de incentivo a alguém que conhece o caminho pelo qual você pretende passar.

Fazer escolhas nunca será fácil, pois elas só aparecem quando temos duas coisas que nos chamam a atenção. Quando apenas uma garante as vantagens, não há escolhas a fazer.

Portanto, fique atento aos seus momentos de escolhas, muitas vezes serão nesses momentos que a carne batalhará contra o Espirito (Mt 26:41, Gl 5:16,17, Rm 7:19). Não foi diferente com Jesus (Mt 4:2,3), mas, como ele, nos temos uma promessa de vitória (ICo 10:13).

Desejo a você uma boa caminhada, com escolhas sábias que o leve a um destino seguro.

Do parceiro de viagem,
Pr Paulo Carlos

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013


Falar é necessário, quando necessário for, para dizer o necessário.

Quem hoje duvida da importância de Platão e dos seus escritos? Quem não reconhece sua influência nos atuais códigos e Leis? Só para exemplificar, no seu livro A República ele defendeu a responsabilidade do Estado na educação das crianças, responsabilidade expressa na Lei Federal nº 9.394/96 que trata da Educação Brasileira.

O curioso é que no seu tempo, século V a.C, ele foi vendido como escravo por defender essa e outras ideias na sua cidade natal, Sicília. Dionísio não concordava com o até então "desconhecido" Platão, e usando da sua força de influência e poder político jogou a voz incomoda para longe. Até que um homem rico o reconheceu entre os escravos e comprou sua liberdade.

Isso me faz lembrar a expressão de Jesus: "Em verdade vos digo que nenhum profeta é bem recebido na sua pátria." (Lucas 4:24 e João 4:44)

Às vezes penso que isso não mudou. Percebo também, e já disse isso em outras situações, que QUEM fala, tem mais peso aos ouvintes do que o CONTEÚDO da fala. Já presenciei situações quando uma mesma fala, rejeitada de inicio, foi abraçada alegremente quando outro orador falou a mesma coisa. 
Acredito que no Corpo de Cristo isso deve ser corrigido.

Portanto, não se cale, mesmo que sua voz seja destoante. Talvez deva procurar outros modos, outros caminhos, para ser ouvido, mas nunca emudeça sua voz para que não seja necessário as pedras clamarem (Lucas 19:40). Algum dia alguém o ouvirá, algum dia sua voz será útil para alguém.

"E eles, quer ouçam quer deixem de ouvir (porque eles são casa rebelde), hão de saber, contudo, que esteve no meio deles um profeta." Ezequiel 2:5
Pr Paulo Carlos

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013


Carnaval e Discipulado: O que uma coisa tem a ver com outra?

Então ele chamou a multidão e os discípulos e disse: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a vida por minha causa e pelo evangelho, a salvará. Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou, o que o homem poderia dar em troca de sua alma?" Marcos 8:34-37

Viver o Evangelho é muito mais do que ter uma lista de coisas proibidas de serem realizadas. Viver o Evangelho é abraçar um novo projeto de vida que tem como prioridade seguir aquele em quem acreditamos ter o melhor para nós. 

Acredito que não adianta falar mal do carnaval, nem fazer campanha para que as pessoas não se envolvam com esta festa, pois elas acreditam piamente que estão vivendo momentos felizes e, de alguma forma, encontram sentindo para suas vidas entrando nesse jogo vazio. 

Se queremos "esvaziar" as ruas nesse período, nós, Igreja de Cristo, precisamos viver o Evangelho, de março a dezembro, de forma séria e comprometida. 

Fazer discípulos é nossa missão, e isso se faz investido tempo e vida pessoal como exemplo do que se quer ensinar. Viver mais do que falar é fundamental para que o Evangelho seja visto como projeto de vida novo. De outro modo, o que será apresentando ao mundo é um carnaval fora de época onde pessoas mascaram suas dores e mazelas, onde o som ensurdecedor de suas atitudes incoerentes atrapalham as palavras de conforto, consolação, exortação e salvação que o Evangelho carrega. 

Não há muito mais o que fazer agora, mas a partir de quarta-feira a Igreja terá 10 meses para plantar a semente do Evangelho. 

Fará isso quem estiver disposto a "perder" sua vida durante esse tempo; estará envolvido com isso quem estiver disposto a abrir mão dos projetos próprios para ser discípulo de Jesus e fazer discípulos no lugar em que estiver atuando. 

Talvez o Carnaval de 2014 não tenha tanta força se a Igreja de Cristo, durante 2013, abandonar as "Micaretas Gospel" e passar a viver o Evangelho de forma plena.

No amor do Cristo, a quem procuro servir apesar das minhas falhas,
Pr Paulo Carlos.

sábado, 19 de janeiro de 2013


A vida
Que bom seria se a vida fosse como no Vídeo Game, que a cada nova tentativa o caminho percorrido já estivesse na memória, de modo que sempre avançaríamos até chegar a zerar o desafio.

Na vida é diferente. Na vida, até mesmo os caminhos aparentemente já conhecidos sempre nos reservam surpresas novas, como se um outro jogo, totalmente diferente, fosse iniciado, inclusive com novas regras e pontuações. 

Se para o bem ou para o mal, a vida segue seu ritmo de modo inexoravelmente dinâmico, e, como já cantou o poeta, "depois nos convida a rir ou chorar". 

Apesar de tudo isso, a vida é como afirmou outro poeta: "É bonita, e é bonita!"

Prudente é observar o que o poeta bíblico aconselhou:
"Lembra-te do teu criador nos dias da tua mocidade, antes que os maus dias cheguem" (Eclesiastes 12:1)

Pr Paulo Carlos


Aos Quarenta e Seis.

De tudo o que sonhou, algo se plantou;
De tudo o que plantou, alguma coisa floresceu;
De tudo o que floresceu, alguma coisa frutificou;
De todos os frutos colhidos, um cântico de vitória e gratidão suplantou toda lágrima que porventura tenha caído em tempos idos, e aqueceu a fé no meu coração quando tudo parecia um tempo findo.

Pr Paulo Carlos

sábado, 5 de janeiro de 2013



Será que atrasou?

Disse Jesus:” Portanto, vigiem, porque vocês não sabem quando o dono da casa voltará: se à tarde, à meia-noite, ao cantar do galo ou ao amanhecer. Se ele vier de repente, que não os encontre dormindo! O que lhes digo, digo a todos: Vigiem! " Marcos 13:35-37

Não faz muito tempo que muita gente ao redor do mundo estava apreensiva com o possível apocalipse. Muitos fizeram peregrinação para locais indicados como seguros e indestrutíveis. Outros buscaram igrejas para tentar colocar em dia sua relação com Deus. Enquanto outros, totalmente céticos, viveram suas vidas sem qualquer abalo emocional.

O mundo não acabou (ufa!), mas isso não significa que não acabará. A Bíblia, embora não diga quando isso acontecerá, afirma categoricamente que tal evento está na agenda do universo. Além do aviso feito por Jesus, Pedro escreve em sua segunda carta, no capítulo 3, sobre esse mesmo tema, alertado sobre o acontecimento e convidando seus leitores a terem uma vida coerente com a fé. Incentiva-os a permanecerem firmes e a não se abalarem com as críticas daqueles que zombam deles por esperarem por Cristo, utilizando o argumento da demora como elemento desanimador para a espera.

A nossa função como Igreja é compartilhar do amor sem medida de Deus para com o mundo e mostrar que a aparente demora nada mais é do que graça imerecida, paciência de Deus voltada para um mundo que Ele quer resgatar.

Como Igreja devemos nos empenhar em nossa função evangelizadora e formadora de discípulos para que na hora que Deus achar conveniente parar a nossa cronologia, Ele encontre uma Igreja viva, atuante e obediente.

Para quem têm Deus como senhor e salvador não compete, nem mesmo tem qualquer relevância, saber quando o mundo vai acabar. Afinal, a salvação já está garantida. O que importa, para esses, é estarem no serviço de modo que Deus os encontre vigilantes e prontos.

Os convido a tomarem essa postura de vigilância e trabalho. Os convido a assumir a posição de anunciadores do Evangelho. Evangelho (Boa Nova) que nos liberta para uma vida verdadeiramente feliz, e que nos garantirá um 2013 repleto de bênçãos vindas de Deus.

No amor e na graça do Cristo que não atrasa e nem falha,

Pr Paulo Carlos

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013


O Poder da Palavra.

"Havendo, pois, o SENHOR Deus formado da terra todo o animal do campo, e toda a ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome." Gênesis 2:19

Existem palavras de todos os tipos e de todos os tamanhos. Há palavras para todas as horas e para todos os momentos. Palavras malditas e benditas, essas são Palavras providencias e aquelas são as ditas fora de hora. 

Palavras que carregam a verdade não escolhem nacionalidade para revelarem seu conteúdo, elas são simples e eficazes no cumprimento da missão, seja lá qual for o som emitido na sua pronuncia.  

Não existe palavras ocultas, existe sim o ocultamento pelas palavras. Um poeta popular já perguntou se existe alguma palavra que ainda não tenha sido dita, ouso afirmar que se tal palavra existisse não teria valor algum. Palavras existem para expressar uma ideia, um sentimento, uma sensação. Palavras são pontes que ligam mundos psíquicos; concretizam as realidades mais abstratas; trazem para a praça o que de mais intimo pode existir no ser humano; Palavras nos salvam do caos que o solipsismo pode produzir na mente de alguém que se percebe necessitado do outro. Palavras são sacerdotes da alma; elas intercedem, representam, rogam, fazem a mediação do nosso interior com o mundo exterior. 

Palavras são elementos sagrados e quem delas fazem uso de forma leviana não ficará impune, pois o mau uso das palavras fazem mal não só a quem as pronunciam, mas também a quem as ouvem.

Sem a pretensão de querer esgotar essa questão, quero convidá-los a usarem as palavras de modo mais responsável, objetivando a construção de uma sociedade mais justa, mais verdadeira, mais humana. Afinal, a palavra foi dada ao homem, junto com a responsabilidade de cuidar do mundo recém-criado.  

Pr Paulo Carlos. 

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

"Planos seguros são os que Deus orienta" (HK)

Todo estudante de pós graduação precisa de um orientador para a escrita da sua pesquisa. 

Ao existir estamos escrevendo a nossa história pessoal, embora envolvendo centenas de outras existências nesse enredo. Acontece o mesmo em qualquer TCC; trazemos para nossa escrita pensamentos, conclusões e ideias já elaboradas e defendidas por outros, para dar sentindo ao que estamos defendendo. Ao final de todo trabalho esperamos a aprovação de uma bancada que analisará a validade do caminho, da proposta e do resultado. 

Assim também se dará ao final da nossa existência. Seremos avaliados pelo dono da vida, Jesus de Nazaré. O mesmo que se propõe a ser nosso orientador durante a escrita dessa existência na cronologia humana, que se compõe de etapas as quais chamamos de séculos, décadas, anos, meses, dias, horas, segundos, momento vivido, seja ele planejado ou não. Aliás, é bom lembrar o que já foi cantado pelo poeta popular: "O tempo não para!". Não para e nos leva de modo inexorável em direção a um "lugar" que chamamos de futuro. Futuro que, se bem planejado, trará como resultado muitos dos frutos que, durante a elaboração do planejamento, decidimos ter. 

Acabamos de vencer uma das etapas da existência a qual chamávamos de 2012. Agora começamos outra etapa da mesma existência. Que planos você elaborou para as próximas etapas? Quem é o seu orientador?

Os convido a permitir que Cristo seja o seu guia, o seu mentor e mais que isso, o seu salvador. Ele é capaz de orientar e reorientar a caminhada por mais complicada que pareça ser. 

Com esse orientador para o seu TTC existencial, por certo a aprovação, por parte de Deus, se dará com louvor. A Bíblia diz que se escolhermos Jesus como nosso orientador seremos recepcionados pelo Pai da seguinte forma: "Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que lhes foi preparado desde a criação do mundo." Mateus 25:34.

Um feliz 2013 para todos!
Pr Paulo Carlos.