quinta-feira, 14 de abril de 2011

O que fazer enquanto espero a resposta de Deus?

“Certa ocasião, enquanto comia com eles, deu-lhes esta ordem: Não saiam de Jerusalém, mas esperem pela promessa de meu Pai, da qual lhes falei”. (Atos 1:4)

Já ouvi esta pergunta uma centena de vezes. A resposta que dou nem sempre é idêntica, pois entendo que, sendo cada pessoa um ser único, a resposta deve atender aos casos de forma específica. Contudo, há, sim, uma atitude que deve ser comum a todos nós, mesmo respeitando as individualidades.

O texto que uso como base para esta reflexão narra o último contato de Jesus com seus discípulos após sua ressurreição. Aqui ele determina, aos seus seguidores, um momento de espera. Em seguida, conforme encontramos nos versos 6 a 8 deste mesmo capítulo, há uma outra determinação que, no primeiro momento, parece ser contraditória, pois versa sobre movimento, ação. Pura impressão! Antes de falar sobre ação, Jesus volta a informar-lhes sobre o acontecimento que os capacitariam para o cumprimento da missão - para a ação propriamente dita - que é o mesmo acontecimento motivador da espera: a descida do Espírito Santo que, segundo a promessa feita, traria e daria poder (DYNAMES) para o exercício da missão. A palavra grega DYNAMES carrega um sentido de ação capacitadora.

O que fazer enquanto a promessa não fosse cumprida? Esperar! Parece claro. Mas o que fazer durante a espera? Esta pergunta ainda martela nossa cabeça moldada pela cultura pós-moderna, onde a ação é privilegiada.

Esperar, definitivamente, não está no dicionário da nossa sociedade. Queremos tudo para ontem. Queremos internet com banda larga, e quanto mais “larga” melhor. Queremos um trajeto de ascenção social e econômica sem obstáculos. Queremos nossos desejos atendidos sem demora e da forma como solicitamos, como se a vida fosse um restaurante. Não suportamos filas, menos ainda se forem longas e lentas. Avançamos sinais amarelos, para não perder tempo. Nossa alimentação é fast-food. Preferimos os caixas eletrônicos, e só paramos naquele que não tem fila. Queremos um culto com a objetividade de um cálculo matemático, onde a ação de Deus deve obedecer ao programa pré-estabelecido. Não achamos possível que Deus nos fale fora dos trinta minutos reservados para o sermão, sendo assim, posso chegar mais tarde no culto, “ganhando” tempo fazendo outra coisa.

"Fazer" é a palavra de ordem do nosso século. "Não posso perder tempo" é o nosso lema.

Às vezes, preferimos que Deus diga logo um "Não!". Assim, podemos partir para outra coisa sem perda de tempo. Quando Deus diz "Espere", entramos numa crise de ansiedade, angústia e desconforto. Isto, muitas vezes, nos impede de ver o mover de Deus em direção às respostas que tanto ansiamos tê-las.

Quando Deus diz "Espere", significa que fazer nada é a nossa tarefa naquele momento. Nisto, somos treinados na paciência, domínio próprio e fé, sem a qual é impossível agradar a Deus (Hb 11:6). Em momentos de espera, aprendemos que nossa ação deve ter como fonte geradora de energia a ação de Deus em nós através do seu Espírito (Jo 15:5).

Este fazer nada não significa omissão, mas uma espera consciente e ativa, pedindo a Deus sensibilidade à sua voz para entrar em ação quando o poder (DYNAMES) do Espírito Santo nos impulsionar na direção que Ele mesmo indicar.

Se o “fantasma” pós-moderno, chamado ativismo, continuar incomodando seu momento de solitude, faça alguma coisa. Pegue sua Bíblia, alimente-se com as deliciosas guloseimas ali encontradas e, caso só encontre maná ao invés de sorvete, lembre-se que Elias, com apenas pão e água, caminhou 40 dias ao encontro do Senhor porque aquele lanche foi disponibilizado pelo próprio Deus (I Reis. 19: 5-8). Este tipo de lanche é o mais potente energizante que conheço.

No amor do Cristo pelo qual espero,

Pr Paulo Carlos

terça-feira, 5 de abril de 2011

Onde Estás?


"E chamou o SENHOR Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás?"(Gn 3:9)

Onde você está? No Egito? No Deserto? Em Canaã?

Não importa! O importante é estar em comunhão com Deus e em sintonia com a sua vontade. Assim, esteja onde estiver, alí a Sua benção o alcançará.
Se no Egito, o livramento (Ex 12:26,27); se no deserto, a provisão (Ex 16:4); se em canaã, fartura (Nm 13:27) e vitória (Nm 33:53)

Um excelente dia para vocês.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Separado, mas tudo junto: Isto é corpo.

Há duas formas de ver a vida: A minha e a sua. Mas só há uma forma de vivê-la plena, vitoriosa, sadia e abundantemente, é vivê-la sintonizado com a vontade de Deus que é boa, perfeita e agradável (Rm 12:2). Quando sintonizamos nossa visão com esta forma de viver, experimentamos a multiforme graça de Deus expressa em I Coríntios 12:18 "Mas agora Deus colocou os membros no corpo, cada um deles como quis". No entanto, tomamos o lugar do oleiro quando queremos moldar os outros à nossa própria imagem e semelhança. Esta atitude produz sequidão espiritual e deficiência no corpo de Cristo, pois, segundo percebemos em Efésios 4:11-13, a diferença, sintonizada com a vontade de Deus, tem como consequência o crescimento, o amadurecimento e o aperfeiçoamento da Igreja. Logo, o diferente nem sempre deve ser visto ou tratado como adversário, mas como parceiro com capacidades dadas pelo próprio Deus para o bem-estar da SUA Igreja, da qual todos nós fazemos parte por pura e infinita misericórdia. Somos, portanto, simples mordomos, servos uns dos outros, como afirmou o apóstolo Pedro na sua primeira carta no capítulo 4 verso 10 "Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus".
Nossa mordomia consiste em colocar os dons, que são presentes divinos, à disposição do Reino de Deus. Neste Reino não há distinção que nos desabone, verdade expresa em Gálatas 3:28 "Não há judeu, nem grego; não há servo, nem livre; não há homem, nem mulher, porque todos vós sois um só em Cristo Jesus." Este Reino tem dono, o nome dele è Yahweh: Eu Sou; Yahweh-Jireh: O Senhor que prover, mas é também Yahweh – Shalom: O Senhor da Paz. É Ele que comanda tudo, e estando tudo sob suas ordens veremos o milagre acontencer. É nEle que as diferenças encontram harmonia, e só Ele é capaz de podar os galhos infrutíferos, pois só Ele pode aplicar, com justiça, este julgamento do que é ou não é bom para o seu próprio Reino. 
NEle temos o corpo funcionando, corpo que recebeu o seu sopro de vida, chamado de Espírito Santo. NEle o separado está tudo junto para SUA glória e louvor.
No amor do Cristo que, mesmo me vendo imperfeito, enxertou-me nesta árvore, e  tornou-me um membro, ínfimo membro, deste tão glorioso corpo chamado Igreja, Reino de Deus,
Pr Paulo

Epitáfio

Escolher um epitáfio não é fácil. Ele, de alguma forma, define ou faz um resumo da existência terrena daquela pessoa; talvez seja por isso que muitos deixam para que os familiares e amigos escolham. Eu já escolhi vários para mim mesmo. Como a vida é dinâmica, cada momento traz consigo uma nova proposta de resumo. Se hoje fosse meu último dia gostaria que escrevessem sobre mim o seguinte:
"Ele viveu sonhando, morreu tentando e quer ser lembrado pelo sonho que tornou-se realidade pela graça de Deus através do seu trabalho.

Mas, como falei, a vida é dinâmica. Se não for hoje o dia da minha partida, talvez seja escrito outra coisa. Quem sabe uma frase da canção que ainda não compus.



domingo, 3 de abril de 2011

Reflexões

"Visão é uma imagem concreta de um futuro que queremos construir. Ilusão é um jeito de viver o presente nebuloso que nos levará para um futuro incerto."

"Eu não quero 1 milhão de amigos para cantar mais forte, eu quero apenas 1 que, sendo verdadeiro, me ajude a compor uma canção que vale a pena ser cantada."